Agente de viagens, carreira em extinção

771 Flares Twitter 6 Facebook 724 Email -- LinkedIn 41 Google+ 0 771 Flares ×
Reading Time: 2 minutes

Agente de viagens é uma profissão em extinção? Saiba o que você pode fazer.

Recentemente saiu uma reportagem dizendo que o agente de viagens está entre as profissões em extinção.  Todos os colegas ficaram tristes, porém ao refletir sobre as mudanças que o mercado enfrentou, vejo que nós somos sobreviventes. No entanto, concluí que, o agente pode sumir, mas o consultor não. A verdade é que a internet se tornou um ambiente no qual as pessoas podem compartilhar suas experiências e oferecerem dicas para outros viajantes tomarem a iniciativa de realizar suas viagens por conta própria. Mesmo que isso seja um fato, as relações humanas nunca irão se esgotar, e portanto, é o consultor de viagens que será exaltado.

Para isso é muito importante, não só as agências de viagens e as TMC’s (agências especializadas em viagens corporativas) se capacitarem, como também os consultores de viagens.

Cada vez mais é preciso se tornar um especialista e cada qual com seu perfil. Eventos, lazer, corporativo. etc. Para saber em qual você se encaixa, primeiro é preciso entender que as expectativas são diferentes e depois refletir onde está o seu mapa de afinidades.

 

No caso do cliente corporativo, cada player espera algo:

  • Empresa/Gestor de Viagem: redução de custo, segurança, negociação, política de viagem, relatórios;
  • Solicitante/Gestor de Viagem: satisfação do passageiro e consultoria;
  • Passageiro: Novos produtos, tecnologia, melhor custo benefício, atendimento personalizado e ágil. Sentir-se especial;
  • Quando se fala em open booking, algumas TMC’s se sentem ameaçadas. Porém, acredito que o gestor de viagem não conseguirá, mesmo com ajuda de um Expense Manager, gerir custo e pessoas sem o auxílio de um especialista.

Os 10 itens, segundo pesquisa da Alagev,  que os clientes apontam para uma TMC ser considerada ideal são:

1-      IDÔNEA
2-      CONFIANÇA
3-      CONSULTOR PROATIVO
4-      OFERTA DAS MELHORES TARIFAS
5-      SOLIDEZ FINANCEIRA
6-      CUMPRIR PRAZOS
7-      OFERECER SERVIÇOS COM PREÇOS COMPATÍVEIS
8-      AGILIDADE PARA ATENDER IMPREVISTOS
9-      AGILIDADE NAS RESPOSTAS
10-   CONSULTORES QUALIFICADOS

Levo sempre comigo uma frase: “O sucesso de um programa de viagens e eventos está diretamente ligado Gestão e não pela busca pura e simplesmente pelo menor preço.”

Se tivermos em mente que a nossa atividade é nobre, pois  permite que pessoas e empresas resolvam seus negócios e realizem seus sonhos, não há o que se preocupar.

E você? O que achou dessa matéria? Compartilhe suas experiências conosco.

 texto-banner-fruto-parceria

 

771 Flares Twitter 6 Facebook 724 Email -- LinkedIn 41 Google+ 0 771 Flares ×
  • Roberto

    É um assunto que precisa ser mais discutido, sou consultor de viagens e me preocupo com que que atitude devo ter diante de tantas mudanças no mercado de agenciamento de viagens. Precisamos entender que a internet não veio para atrapalhar, mas pra beneficiar e propiciar novas oportunidades, só quem estiver atualizado e preocupado em inovar obterá sucesso.

  • ana

    Também concordo com Roberto. Internet veio para beneficiar e muito. Tenho duas opiniões desta situação. Uma como profissional que já trabalhou em aeroporto e outra como viajante. Sinto que com tantas facilidades tecnológicas para os dois lados, tudo ficou mais prático e rápido porém sentimos falta daquele olhar, daquele auxilio gostoso que um funcionário seguramente oferecia após receber bons treinamentos e supervisão. Funcionários trabalhavam com prazer e alegria. Fiz parte deste momento. E há cerca de 25 anos tornei-me viajante constante. Confesso que sinto falta daquele glamour e daquele mimo oferecido. Talvez as agencias de turismo, pudessem resgatar isso em seus serviços e cobrar um pouco mais das empresas aéreas em seus serviços. Resgatando esse contato pessoal e humano, certamente esta funçao nao entraria em extinção.

  • Acredito que nessa nova era, realmente o consultor é quem fará a diferença, mas ele vai ter que se especializar cada vez mais, não vai dar para saber superficialmente sobre os assuntos, pois os clientes já pesquisam o que querem na internet, só que a maioria vai na loja para comprar. Mas como será quando a Geração Y envelhecer? Vamos banir a necessidade das relações humanas ou sentiremos falta dela?
    Trabalhando em uma Agência Corporativa, já sentimos a necessidade da velocidade de informação e atendimento quando o cliente não consegue resolver o que precisa de forma online. Para a sobrevivência, o diferencial será um quesito obrigatório, como não existe receita de bolo, a atualização constante é o que manterá este serviço ativo.

  • Sérgio Ribeiro

    É desanimador…você funciona como consultor, dá dicas importantes, orienta e muitas vezes o seu “cliente” entra nos sites de cias aéreas, hotéis e fecham o negócio…você, muitas vezes é “usado” e descartado.

  • Leonel Perdigão

    Há 20 anos atrás quando estive em New York precisei fazer uma pequena viagem aoutroestado e procurei uma agência de viagens para cotar o trecho aéreo, me responderam prontamente quando da primeira questão e tão logo continuei as questões fui informado que `a partir daquele momento cobrariam um fee de consultoria que seria debitado do valor da compra caso eu fechasse alguma coisa. Foi aí que comecei a entender a questão da consultoria. Hoje vivemos uma disputa de preço por preço com as OTAS e Operadoras de turismo com lojas próprias, mas isso não me abateu pois passei a me especializar nos produtos que desenvolvi e acho que essa é a saída para os Agentes de Turismo Brasileiro.

  • Lucélia Bispo

    Sabe aquela velha história do copo cheio e do copo vazio? Quem acredita que o Agente de Viagens será extinto por conta das OTA´s sempre verá o copo meio vazio e não consegue enxergar os benefícios e as vantagens que a internet o proporcionou…Ou ainda gostariam de emitir bilhetes a mão em vias com 5 ou 6 carbonos? ou Procurar hotéis no Index? Ou enviar e receber confirmações via fax? E o Telex? e apegando em lamentações “A internet roubou meu cliente” “Deixei de vender, porque meu pax comprou pela internet”. Falta criatividade de muitos agentes para utilizar essa ferramenta em prol. Sempre temos que reinventar nossas atitudes e nossas abordagens. A Internet pode abranger muito mais seus negócios, aumentar sua lucratividade e expandir sua carteira de clientes. Mas, o que vejo em algumas pessoas: perante a um cenário de mudanças, de inovações, as pessoas se viram para o Muro das Lamentações e se fecham para a oportunidade dos pontos favoráveis. Sou tecnóloga e bacharel em Turismo, e pós graduada em Comunicação e Marketing. Dediquei toda minha vida profissional à Agencia de Turismo. Já trabalhei em duas OTA´s (e ainda trabalho), isso quer dizer que sempre vou defender a bandeira do Profissional do Turismo, por isso sempre vou ver o copo meio cheio.

771 Flares Twitter 6 Facebook 724 Email -- LinkedIn 41 Google+ 0 771 Flares ×