HÁLITO RUIM, CARREIRA EM XEQUE

8 Flares Twitter 1 Facebook 5 Email -- LinkedIn 2 Google+ 0 8 Flares ×
Reading Time: 4 minutes

Responda rápido: você namoraria alguém que tem mau hálito? A não ser que você tenha algum fetiche muito estranho, anosmia ou interesses ocultos, eu presumo que sua resposta seja “não”. É claro que quando falamos em um relacionamento com beijos e afagos o hálito parece ter um peso muito maior, mas a realidade é que em qualquer esfera de relacionamento, seja ele amoroso, familiar, de amizade ou de trabalho, você inevitavelmente teria (se já não teve) uma experiência bastante desagradável ao conversar com alguém cujo hálito fosse incômodo. Ainda que a conversa durasse poucos minutos.

Deve ser por isso que o administrador de empresas Max Gehringer, comentarista da rádio CBN, citou uma vez que não conhecia nenhum diretor ou presidente de empresa que tivesse mau hálito. Ele fala que a carreira de alguém com mau hálito tende a desacelerar e, se você não tem o tal fetiche estranho do parágrafo acima, já deve ter uma boa ideia do motivo disso acontecer.

Bob você já pensou em trocar de ração ?

A verdade é que não importa se você trabalha numa empresa no setor de comércios ou de serviços, nem se você busca ascensão numa fábrica de automóveis, numa empresa de comunicação ou numa loja de roupas. A relação trabalhista é necessariamente um convite para o diálogo, e além das técnicas exigidas para uma boa liderança, um bom gestor precisa falar e ter certeza que será ouvido, então fica fácil deduzir o quão arriscado é ver sua carreira estagnar caso ele tenha mau hálito.

Lembro que uma amiga, ao voltar de uma viagem à Espanha, descreveu algo mais ou menos assim como sua primeira percepção sobre os espanhóis:

“Eu descobri que jamais namoraria um espanhol! A gente nem consegue conversar com eles por causa do hálito.”

É claro que essa foi uma experiência muito particular, baseada em uma única viagem, num determinado período, numa região específica do país e com aquele grupo de pessoas que ela se relacionou, algo que não é inerente a um único povo ou país. A questão é o peso que teve para ela o mau hálito daquelas pessoas, e o grande impacto dessa experiência na formação de sua opinião sobre os mesmos.

Ok. Este é um julgamento precipitado. Mas isso acontece o tempo todo conosco: nossas experiências tem um grande peso em nossa avaliação sobre qualquer coisa. Por isso mesmo, seria arriscadíssimo colocar alguém que pudesse sugerir má higiene representando a “cara” da empresa.

MÁ HIGIENE OU PROBLEMAS ESTOMACAIS?

Confesso que sentei para escrever esse texto pensando em tomar o máximo de cuidado para não ser injusta com as pessoas cujo mau hálito fosse resultado de um problema estomacal, o que para mim deveria ser a maioria dos casos – Poxa, a pessoa já sofre com algum mal estar e ainda tem que ouvir sermões sobre o incômodo que seu problema causa aos demais?

Grande engano esse meu. Segundo o cirugião dentista Dr. Ronaldo Prata de Lima Barbosa, em entrevista para o Doutor Drauzio Varella, o estômago não tem nada a ver com a história: o grande vilão mesmo é o ambiente bucal, especialmente a língua, que registra de 90% a 95% dos casos de halitose.

Esta não é a proposta do texto, mas se você quiser entender mais sobre as causas do mau hálito, recomendo o clique: http://drauziovarella.com.br/wiki-saude/mau-halito

É mais ou menos assim que as pessoas se sentem ao seu lado

CEBOLA E ALHO; CAFÉ E CIGARRO

Embora se atribuam algumas propriedades antissépticas à cebola e ao alho, estes são, no instante do consumo, dois inimigos do hálito refrescante prometido pela propaganda do enxaguante bucal. Por isso, evitar consumi-los na pausa do almoço é uma decisão acertada. Se não puder, tome 200ml de leite que pode diminuir o mau hálito provocado por esses alimentos em até 50%. É claro que, a despeito de sua dieta, é imprescindível escovar bem os dentes após as refeições.

Agora, se por um lado é unanimidade que a cebola e alho sejam lembrados como causadores de mau hálito, e consequentemente evitados por quem geralmente os consome, o cigarro e o café acabam sendo, muitas vezes, negligenciados. Talvez pelo hábito ou ainda porque o consumo de ambos, cigarro e café, se dê em vários momentos do dia de trabalho e ninguém volta para escovar os dentes em cada um desses momentos.

Enfim, para estes casos, o ideal é tomar cuidado ao ingeri-los e evitar o seu consumo antes de palestras e reuniões.

COMO SABER?

“O curioso em relação ao mau hálito é que os portadores não conseguem perceber o odor desagradável que exalam. São os outros que notam e ficam constrangidos em avisar – ‘Olha, teu hálito não está legal’. Às vezes, nem toda a intimidade do mundo justifica uma atitude como essa e o problema não é enfrentado como deveria.” Dr. Dráuzio Varella

Pois é, o Dr. Dráuzio tem razão, afinal, quem é que quer ser indelicado? Então, como saber como está seu hálito? Se você se interessar, há na internet alguns testes específicos, mas esteja ciente de que eles não são recomendados por dentistas porque dão margem à interpretação equivocada.

Por isso mesmo, o melhor é perguntar sobre seu hálito ao seu dentista e para pessoas próximas e procurar tratamento, se for o caso. Como resultado, além de preservar sua saúde bucal, você ganha um bônus nos relacionamentos e nas chances de receber uma promoção.

Related Post

8 Flares Twitter 1 Facebook 5 Email -- LinkedIn 2 Google+ 0 8 Flares ×
8 Flares Twitter 1 Facebook 5 Email -- LinkedIn 2 Google+ 0 8 Flares ×